domingo, 16 de outubro de 2011

Entrevista com Anita Costa Prado


Anita Costa Prado é uma roteirista brasileira premiada. Ficou famosa no meio com uma personagem lésbica chamada Katita. Num mundo dominado por homens e heróis anabolizados trocando sopapos, ela mostra que as histórias em quadrinhos podem ser poéticos e que não há  limites para os assuntos tratados na nona arte. Conheça, na entrevista abaixo, um pouco dessa talentosa roteirista. 
1 - Como você começou a ler quadrinhos? O que você lia? 
Comecei a ler quadrinhos na infância. Lia gibis do Tio Patinhas, Chico Bento, Professor Pardal, o adorável Zé Carioca, etc. Na adolescência passei a ler também tiras de jornais.

2 - Quais são os roteiristas que te influenciaram? 
Não foram exatamente influências mas admirava vários roteiristas e desenhistas como Eugênio Colonnese e roteiristas de histórias infantis. O roteiro que mais me impactou foi de Art Spielgeman (MAUS), por ser real, aliado a grande idéia de desenhar os personagens como animais, de acordo com os grupos étnicos.
Sempre me encantei pelos roteiros curtíssimos das tiras de Jim Davis e o Gato Garfield, além das ótimas tiras nacionais.

3 - Como surgiu a Katita? Qual era a sua intenção com a criação da personagem? 
Por gostar de tiras e conhecer os personagens que saiam regularmente nos jornais, senti que uma personagem lésbica seria interessante, pela inexistência de tal enfoque. A intenção era mostrar o cotidiano de uma jovem lésbica, com bom humor e ironia, como forma de suavizar a abordagem de um tema polêmico e repleto de conceitos equivocados.

4 - Você já foi premiada duas vezes com o Angelo Agostini. Isso mostra que o seu trabalho está chamando atenção do meio. Isso demonstra também um maior respeito com relação à temática gay? Na verdade foram três premiações. Em 2006, como roteirista e melhor lançamento (Tiras Sem Preconceito), vinculados a Katita. No ano seguinte, recebi o terceiro prêmio, como melhor roteirista mas além dos roteiros da Katita havia feito também roteiros poéticos em quadrinhos. Maior respeito talvez não seja o termo mas maior visibilidade; ainda há um longo caminho para o respeito as individualidades sexuais.

5 - Existem outros personagens gays, inclusive super-heróis. O que você acha deles? 
Personagens gays criativos preenchem uma lacuna e mostram as variantes sexuais pois o mundo não se resume a heteros. Tenho um pé atrás com super-heróis, sejam gays ou não. Gosto de personagens próximos da realidade.
Heróis com super-poderes parecem refletir o quanto nos sentimos inferiores por sermos simplesmente humanos.

6 - Como é o seu processo de criação? Você escreve ou rafeia as histórias? Você muda o texto depois de desenhado? Pede para fazer mudanças no desenho? Faço quadros descrevendo detalhes do ambiente, diálogos e posição dos personagens. Posso recorrer a colagens de imagens para dar uma idéia do que quero ou desenho um esboço básico, quase primário. Felizmente o Ronaldo Mendes, meu desenhista mais assíduo, entende o que quero transmitir. Ele desenha a lápis e me passa via computador. Observo se está tudo ok, solicito alteração (caso necessário) e só então, ele finaliza.Em outras ocasiões fiz roteiros  escritos, tipo argumento, propiciando maior liberdade para o desenhista exercer a criatividade e montar o visual, de acordo com sua vontade. Não gosto de mudar o texto depois da arte finalizada; só em situações extremas, como corrigir uma falha ortográfica no balão, por exemplo.

7 - Eu sempre digo que um bom roteirista deve ler e ler muito. Por isso, eu peço para os meus entrevistados indicarem livros interessantes para os leitores do blog, muitos dos quais serão futuros roteiristas. 
Ler é essencial para desenvolver a mente, se familiarizar com as palavras, textos, pontuação, etc. Creio que o bom roteirista deve ser eclético em suas leituras; ao ler publicações sobre roteiros de quadrinhos, vai ter muita informação útil e específica.  Indico MAUS, citado anteriormente e seu livro (O Roteiro nas Histórias em Quadrinhos), além de publicações que tiveram alguma premiação ou indicação importante. Serve como avaliação. Ler a literatura tradicional também é interessante, como também livros que deram origens a filmes.
8 - Qual dica você daria para quem está começando agora como roteirista de quadrinho? 
Primeiro que preste atenção ao texto e diálogo produzido. Recebo material com tantos erros ortográficos nos diálogos que prejudicam a imagem, mesmo que seja boa e comprometem os desenhos. O roteirista trabalha com a idéia e com a palavra; tem que ter preparo básico. Estudo e leitura são primordiais. Outra questão importante é o roteirista ter em mente que seu trabalho  deve oferecer algo aos leitores e despertar interesse. Se o roteirista é também o desenhista, tem a vantagem de poder fazer tudo sozinho mas é bom ter uma opinião qualificada no decorrer do trabalho. Várias dicas externas são valiosas.

9 - Você usa uma mídia, os quadrinhos, que é vítima de muito preconceito,  para falar dos gays, que também são muito discriminados. Qual preconceito é maior? Quadrinhos com essa temática ajudam a diminuir o preconceito e, por outro lado, mostram que quadrinhos podem falar de qualquer coisa? 
A homossexualidade, sem dúvida, recebe maior carga de preconceito. Quadrinhos nem sempre são levados a sério e muitos encaram hq com arte menor, por desconhecimento. Recebi manifestações de pessoas que leram as publicações da Katita e constataram que quadrinhos podem ser veículo para questões adultas, profundas e também uma forma  de expressão artística.

10 - A personagem Katita já foi censurada alguma vez? 
Isso tem sido uma constante desde a criação (1995). Censura, exclusão, veto, solicitação de alterações na tira, comportamento da personagem e substituição de palavras nos balões. Sinceramente isso não me afeta, é um dos combustíveis para continuar. Tenho uma crítica pessoal em relação a personagem e algumas idéias são deixadas de lado por minha vontade já que não quero usar nada apelativo. Não preciso de censura externa, geralmente baseada em puritanismo tolo.Agora, se alguma observação é coerente, levo em consideração.



O livro Katita - tiras sem preconceito pode ser comprado no site da editora Marca de Fantasia. 

4 comentários:

FSB disse...

Grande, Anita.
Sou fã dessa menina.

Takeo Adventure! disse...

Eu sou fã, leitor, personagem e palpiteiro... rsss

Cristina Rocha disse...

Anita,eu adoro a HQ e já sou sua fã. Que os seus dias sejam cheios de sol,iluminados por Deus.

LiCastanheira disse...

A Katita foi amor à primeira vista, bati o olho em uma reportagem de site ano passado e tive que pedir um exemplar.
Parabéns, Anita! Você esbanja talento e sensibilidade.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails